terça-feira, 30 de junho de 2015

Histórias como quebra-cabeças

Suspense e mais suspense...



Que tem gosto para tudo, disso sabemos. Mas quem é que não gosta daquelas histórias (fanfics) em que você se pergunta "o que vai acontecer depois disso?"

Acompanhar uma boa história nos dá aquela sensação deliciosa, além, é claro, dá expectativa por mais. Mas o que é que consegue esse efeito de "prender" o leitor? Bem, podemos dizer que há vários elementos, como a espera pelo romance, os personagens cativantes e os vilões marcantes.
Não há um só elemento, mas sim um conjunto de fatores que atraem o leitor. E, um deles, sem dúvida, é o famoso "perguntas sem respostas".

Investir em falsos "furos" no enredo pode causar um bom efeito na trama. Os roteiristas de novelas apostam muito nesse modelo.
No início é jogada uma enxurrada de informações em cima do espectador: personalidade distorcida, segredos complicados, sentimentos guardados no fundo do coração. O segredo é instigar e surpreender. Mas como fazer isso?

Para começar, é necessário entender que os furos no enredo devem ser propositais. O melhor seria criar um plot onde seria colocado que, em tal capítulo, o assunto foi instigado, em tal capítulo foi citado, em outro foi desenvolvido e em outro resolvido.
Plots são muito bons quando a intensão do autor é deixar coisas subentendidas. É uma ótima ferramenta. Mas tem autores que funcionam muito melhor sem plot. O importante é que o autor tenha total consciência dos pontos em aberto na historia. Utilizar plot não é obrigatório, é por uma questão de organização de ideias.

Organizar as ideias, achei a expressão correta. Para conseguir desenvolver um suspense, e não estou dizendo uma história desse gênero, e sim uma situação onde algo fica pendente, é necessário organizar perfeitamente cada detalhe.
Se uma porta se abre, ou um novo personagem aparece, é tudo planejado. Ele pode ser o assassino da mocinha ou pode ser o espião do vilão. Cada detalhe é colocado para levar à resolução do mistério. Deixar coisas no ar ou simplesmente mal resolvidas vai levar os seus leitores a continuarem lendo a história.

Podemos dizer, então, que é quase um truque psicológico. O ser humano é curioso por natureza. Às vezes lemos um livro ou assistimos a um filme simplesmente porque algo no início nos deixou instigado.
Uma pequena informação, uma personagem que teve pouca participação, não importa o que for, o segredo para criar uma história geniosa e que prenda o leitor é saber exatamente quando, onde, como e por que algo foi feito ou deixou de ser.

Ou seja, usem e abusem do suspense, do mistério e da ferramenta de informações subentendidas. Escrevam a cena uma, duas, três vezes se necessário. Consultem amigos, perguntem o que eles acham, pesquisem sobre o assunto na internet ou em livros. Quanto mais conhecimento e experiência, mais fácil será criar um enredo criativo e que prenda a atenção do leitor nos pontos chaves.

Acho que é tudo.
Até o próximo post.
Beijos da Ana.